Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

mozweon

mozweon

Sex | 29.06.18

Lizha James - Arrependimento (2018)

Nicolau Novela
[caption id="attachment_69" align="aligncenter" width="300"] Lizha James - Arrependimento (2018)[/caption]"Arrependimento" depois ter lançado ontem o novo video da primeira musica no projecto Ancora, é disponibilizado a nova musica da cantora lizha james com o genero Guetto Zouk.De recordar que projecto denominado “Âncora“, que conta com 30 músicas que estarão disponíveis via download. 80 por cento dos artistas que fazem parte deste projecto são artistas novos no mercado e 20 por cento de artistas ja consagrados.A ideia deste projecto é mostrar Moçambique e ao Mundo que a música Moçambicana está em alta e estamos unidos numa só causa que é a valorização da cultura Moçambicana.DOWNLOAD: Lizha James - Arrependimento MP3Stream
Sex | 29.06.18

Lizha James - Arrependimento (2018)

Nicolau Novela
[caption id="attachment_69" align="aligncenter" width="300"] Lizha James - Arrependimento (2018)[/caption]"Arrependimento" depois ter lançado ontem o novo video da primeira musica no projecto Ancora, é disponibilizado a nova musica da cantora lizha james com o genero Guetto Zouk.De recordar que projecto denominado “Âncora“, que conta com 30 músicas que estarão disponíveis via download. 80 por cento dos artistas que fazem parte deste projecto são artistas novos no mercado e 20 por cento de artistas ja consagrados.A ideia deste projecto é mostrar Moçambique e ao Mundo que a música Moçambicana está em alta e estamos unidos numa só causa que é a valorização da cultura Moçambicana.DOWNLOAD: Lizha James - Arrependimento MP3Stream
Sex | 29.06.18

Valter Artístico - Nhama Nhama 2018

Nicolau Novela
[caption id="attachment_66" align="aligncenter" width="300"] Valter Artístico - Nhama Nhama[/caption]"Nhama Nhama" o segundo tema do Artista Valter Artistico grande projecto da Bang Entretenimento, depois de ter lançado "Meu Gueto" seguido do Video. a musica com o genero kizomba.Valter Artístico é um cantor, e compositor moçambicano, nascido aos 17 de Abril de 1996 em Maputo.Desde criança sempre gostou de cantar, começado por fazer Rap com os seus amigos no grupo Universe Rapper’s e depois de experimentar outros ritmos musicais e ter descoberto o seu talento por outros ritmos.No ano 2013 começa a sua carreira a solo aparecendo em 2016 com a música “Sou feliz” com a participação do Cizer Boss.DOWNLOAD MP3: Valter Artístico - Nhama Nhama 2018Stream
Sex | 29.06.18

Valter Artístico - Nhama Nhama 2018

Nicolau Novela
[caption id="attachment_66" align="aligncenter" width="300"] Valter Artístico - Nhama Nhama[/caption]"Nhama Nhama" o segundo tema do Artista Valter Artistico grande projecto da Bang Entretenimento, depois de ter lançado "Meu Gueto" seguido do Video. a musica com o genero kizomba.Valter Artístico é um cantor, e compositor moçambicano, nascido aos 17 de Abril de 1996 em Maputo.Desde criança sempre gostou de cantar, começado por fazer Rap com os seus amigos no grupo Universe Rapper’s e depois de experimentar outros ritmos musicais e ter descoberto o seu talento por outros ritmos.No ano 2013 começa a sua carreira a solo aparecendo em 2016 com a música “Sou feliz” com a participação do Cizer Boss.DOWNLOAD MP3: Valter Artístico - Nhama Nhama 2018Stream
Sex | 29.06.18

Lady Zamar – It’s You – Dreaming 2018

Nicolau Novela
[caption id="attachment_63" align="aligncenter" width="300"]Dreaming Lady Zamar – It’s You[/caption]Lady Zamar – It’s You – Dreaming. It’s You-Dreaming é o novo single do produzida pela Universal Music’s hitmaker, Lady Zamar, do seu muito venerado álbum King Zamar. A música é o quarto single do álbum.Espera-se que o It’s You -Dreaming receba um tratamento em vídeo assim Lady Zamar prometeu aos fãs um novo single nas próximas semanas. Baixa, curta e partilha!DOWNLOAD MP3: Lady Zamar – It’s You – DreamingStream 
Sex | 29.06.18

Lady Zamar – It’s You – Dreaming 2018

Nicolau Novela
[caption id="attachment_63" align="aligncenter" width="300"]Dreaming Lady Zamar – It’s You[/caption]Lady Zamar – It’s You – Dreaming. It’s You-Dreaming é o novo single do produzida pela Universal Music’s hitmaker, Lady Zamar, do seu muito venerado álbum King Zamar. A música é o quarto single do álbum.Espera-se que o It’s You -Dreaming receba um tratamento em vídeo assim Lady Zamar prometeu aos fãs um novo single nas próximas semanas. Baixa, curta e partilha!DOWNLOAD MP3: Lady Zamar – It’s You – DreamingStream 
Sex | 29.06.18

Artistas nacionais “paralisam” Dez de Novembro para celebrar independência

Nicolau Novela
[caption id="attachment_60" align="aligncenter" width="300"] artistas nacioais[/caption]Dezenas de músicos actuaram ao longo da noite nas celebrações dos 43 anos de independência. O espectáculo denominado só Moçambique só nós foi organizado pela Bang Enterteniment.Avenida 10 de Novembro completamente abarrotada para testemunhar um cruzamento de gerações de músicos nacionais.Coube aos jovens Moz Elements sacudir o frio que fustigava a baía e, nesta bela coreografia, aquecer aos espectadores que responderam em massa ao convite das celebrações dos 43 anos de independência nacional.Depois do ambiente praticamente criado, seguiu-se a triunfante entrada de MC Roger. O também conhecido "patrão" da música moçambicana colocou o público a vibrar e uma vez mais mostrou que a música moçambicana está boa e recomenda-se. Aliás, numa das suas músicas MC Roger exigiu respeito e reconhecimento pelo seu estatuto de mais-velho.E porque não se podia falar em 43 anos de independência sem se olhar pelo panorama político, Azagaia foi o convidado a faze-lo.Mentiras ou verdades, Azagaia assumiu-se um exímio lutador contra os males que assolam a pátria.A seguir juntou-se à festa General Muzka. Depois de brindar aos presentes com os seus maiores sucessos, Muzka arriscou lançar-se aos ventos da música lusófona, cantando êxitos do Brasil e guinnenses.Actuações como de Lorena Nhate também deram cor ao evento.Houve ainda espaço para os gurus da música moçambicana. Hortêncio Langa lançou-se ao público e deu o ar da sua graça.A Hortêncio Langa juntou-se um outro monstro da música. Lado-a-lado com Stewart Sukuma cantaram amores.Ainda no grande espectáculo dos 43 anos actuaram Júlia Duarte. E, quando se pensava que o cardápio estava fechado, eis que surge mais um nome sonante da música moçambicana. Wazimbo.Quem também juntou-se ao show denominado "Só Moçambique só nós" foi Anita Macuácua.Seguiram-se várias outras actuações até ao raiar do sol.Alguns músicos entrevistados disseram que foi com grande alegria que se juntaram ao povo moçambicano para comemorar a independência. Lorena Nhate disse este ser um momento de os moçambicanos reforçarem o espirito de união e harmonia. Já General Muzka disse que o país precisa focar-se na educação pois só assim poderá desenvolver: “Temos que reconhecer a independência não foi adquirida como se de um camião viesse e oferecida aos moçambicanos. Foi fruto de muito suor, luta e sacrifício e muito emprenho por parte dos combatentes. Temos que aprender a dar valor a este ganho.Moçambique pode registar grandes níveis de desenvolvimento se investir ainda mais na educação”. Disse General.Cidadãos que se fizeram ao local disseram terem gostado dos momentos que marcaram as celebrações do dia da independência nacional. Estes afirmaram que esta foi a melhor maneira de celebrar os 43 anos.
Fonte: opais
Sex | 29.06.18

Artistas nacionais “paralisam” Dez de Novembro para celebrar independência

Nicolau Novela
[caption id="attachment_60" align="aligncenter" width="300"] artistas nacioais[/caption]Dezenas de músicos actuaram ao longo da noite nas celebrações dos 43 anos de independência. O espectáculo denominado só Moçambique só nós foi organizado pela Bang Enterteniment.Avenida 10 de Novembro completamente abarrotada para testemunhar um cruzamento de gerações de músicos nacionais.Coube aos jovens Moz Elements sacudir o frio que fustigava a baía e, nesta bela coreografia, aquecer aos espectadores que responderam em massa ao convite das celebrações dos 43 anos de independência nacional.Depois do ambiente praticamente criado, seguiu-se a triunfante entrada de MC Roger. O também conhecido "patrão" da música moçambicana colocou o público a vibrar e uma vez mais mostrou que a música moçambicana está boa e recomenda-se. Aliás, numa das suas músicas MC Roger exigiu respeito e reconhecimento pelo seu estatuto de mais-velho.E porque não se podia falar em 43 anos de independência sem se olhar pelo panorama político, Azagaia foi o convidado a faze-lo.Mentiras ou verdades, Azagaia assumiu-se um exímio lutador contra os males que assolam a pátria.A seguir juntou-se à festa General Muzka. Depois de brindar aos presentes com os seus maiores sucessos, Muzka arriscou lançar-se aos ventos da música lusófona, cantando êxitos do Brasil e guinnenses.Actuações como de Lorena Nhate também deram cor ao evento.Houve ainda espaço para os gurus da música moçambicana. Hortêncio Langa lançou-se ao público e deu o ar da sua graça.A Hortêncio Langa juntou-se um outro monstro da música. Lado-a-lado com Stewart Sukuma cantaram amores.Ainda no grande espectáculo dos 43 anos actuaram Júlia Duarte. E, quando se pensava que o cardápio estava fechado, eis que surge mais um nome sonante da música moçambicana. Wazimbo.Quem também juntou-se ao show denominado "Só Moçambique só nós" foi Anita Macuácua.Seguiram-se várias outras actuações até ao raiar do sol.Alguns músicos entrevistados disseram que foi com grande alegria que se juntaram ao povo moçambicano para comemorar a independência. Lorena Nhate disse este ser um momento de os moçambicanos reforçarem o espirito de união e harmonia. Já General Muzka disse que o país precisa focar-se na educação pois só assim poderá desenvolver: “Temos que reconhecer a independência não foi adquirida como se de um camião viesse e oferecida aos moçambicanos. Foi fruto de muito suor, luta e sacrifício e muito emprenho por parte dos combatentes. Temos que aprender a dar valor a este ganho.Moçambique pode registar grandes níveis de desenvolvimento se investir ainda mais na educação”. Disse General.Cidadãos que se fizeram ao local disseram terem gostado dos momentos que marcaram as celebrações do dia da independência nacional. Estes afirmaram que esta foi a melhor maneira de celebrar os 43 anos.
Fonte: opais
Sex | 29.06.18

“Festivais fortalecem qualidade dos músicos e a identidade nacional”

Nicolau Novela
[caption id="attachment_57" align="aligncenter" width="300"] identidade nacional identidade nacional[/caption]A realização de festivais musicais e/ou de artes no país tornou-se algo constante. Além de AZGO, Zouk, Xiquitsi, há também de Songo a ganhar raízes. Sobre o aumento do número de festivais ao nível nacional, autores como Esaú Meneses, Liloca e Lizha James mostram-se satisfeitos porque, segundo entendem, esta plataforma é extremamente viável para impulsionar a arte feita em Moçambique nas suas múltiplas dimensões. Aliás, acredita Esaú Meneses, o investimento em festivais só pode criar condições para o futuro identitário do país ser algo mais consistente. “A identidade de um povo está na cultura e quem não tem identidade cultural não existe”, disse Esaú Meneses.Ampliando mais a sua abordagem à arte musical no país, Meneses considerou que a música moçambicana está de evento em pompa. Ainda assim, precisa de ser mais acarinhada pelo empresariado. “Temos muitas empresas, mas quantas investem na arte de forma desinteressada? Precisamos também de chamar atenção aos artistas para estudarem a sua profissão, pegar na tradição e fazer dela razão de desenvolvimento da cultura. As empresas devem investir no surgimento de novos artistas e no aperfeiçoamento dos que já existem”.Para Liloca, cantora que promete lançar duas músicas novas próximo mês, “Nimukumili” e “Sou poderosa”, os festivais de música garantem uma oportunidade de intercâmbio entre artistas, que, com isso, sempre podem aprender novas formas de compor, de pensar e estar na arte. Paralelamente a esse aspecto, lembra Liloca, o público pode realizar o sonho de estar com os seus ídolos ou com autores que admiram.Quanto a Lizha James, o que mais a interessa em festivais é a componente interacção que proporcionam. Por exemplo, “eu sou do Sul. Quando tenho a oportunidade de estar com artistas de Tete, fico feliz porque aí partilhamos experiência e puxamos uns aos outros. Com isso podemos melhorar, crescer individualmente, em conjunto e mover a indústria musical”.Os três músicos referiram-se à importância dos festivais artísticos depois de terem participado na quarta edição do Festival de Songo, que se realizou no passado fim-de-semana, no distrito de Cahora Bassa, em Tete. O evento serviu para comemorar os 43 anos da HCB.
Fonte: opais
Sex | 29.06.18

“Festivais fortalecem qualidade dos músicos e a identidade nacional”

Nicolau Novela
[caption id="attachment_57" align="aligncenter" width="300"] identidade nacional identidade nacional[/caption]A realização de festivais musicais e/ou de artes no país tornou-se algo constante. Além de AZGO, Zouk, Xiquitsi, há também de Songo a ganhar raízes. Sobre o aumento do número de festivais ao nível nacional, autores como Esaú Meneses, Liloca e Lizha James mostram-se satisfeitos porque, segundo entendem, esta plataforma é extremamente viável para impulsionar a arte feita em Moçambique nas suas múltiplas dimensões. Aliás, acredita Esaú Meneses, o investimento em festivais só pode criar condições para o futuro identitário do país ser algo mais consistente. “A identidade de um povo está na cultura e quem não tem identidade cultural não existe”, disse Esaú Meneses.Ampliando mais a sua abordagem à arte musical no país, Meneses considerou que a música moçambicana está de evento em pompa. Ainda assim, precisa de ser mais acarinhada pelo empresariado. “Temos muitas empresas, mas quantas investem na arte de forma desinteressada? Precisamos também de chamar atenção aos artistas para estudarem a sua profissão, pegar na tradição e fazer dela razão de desenvolvimento da cultura. As empresas devem investir no surgimento de novos artistas e no aperfeiçoamento dos que já existem”.Para Liloca, cantora que promete lançar duas músicas novas próximo mês, “Nimukumili” e “Sou poderosa”, os festivais de música garantem uma oportunidade de intercâmbio entre artistas, que, com isso, sempre podem aprender novas formas de compor, de pensar e estar na arte. Paralelamente a esse aspecto, lembra Liloca, o público pode realizar o sonho de estar com os seus ídolos ou com autores que admiram.Quanto a Lizha James, o que mais a interessa em festivais é a componente interacção que proporcionam. Por exemplo, “eu sou do Sul. Quando tenho a oportunidade de estar com artistas de Tete, fico feliz porque aí partilhamos experiência e puxamos uns aos outros. Com isso podemos melhorar, crescer individualmente, em conjunto e mover a indústria musical”.Os três músicos referiram-se à importância dos festivais artísticos depois de terem participado na quarta edição do Festival de Songo, que se realizou no passado fim-de-semana, no distrito de Cahora Bassa, em Tete. O evento serviu para comemorar os 43 anos da HCB.
Fonte: opais